Família, Maternidade, Psicologia

O ADOLESCENTE EM QUESTÃO

No Brasil, estima-se que 20% da população seja adolescente. O processo de adolescer supõe alterações bio-psico-sociais, é uma fase de transições marcada por indefinições, insegurança, momentos de reclusão e necessidade de pertencer a um grupo.

O jovem já alcançou a fase de inteligência abstrata, como a do adulto, sendo capaz de compreender a realidade nos seus diversos aspectos, porém, não possui ainda a maturidade que advém da experiência, necessitando orientações e certa vigilância por parte dos pais.

Eles são idealistas e tendem a fazer tudo sem medida, seus sentimentos são polarizados: amam e odeiam. Lutam para tornarem-se independentes, por isso gostam de quebrar regras e contrariar, para legitimar o próprio eu.

Reduzem o tempo de convivência na família, o que é normal para a idade, pois eles precisam se conhecer melhor e ter os próprios parâmetros sobre a realidade.

Apresentam uma vitalidade sui gêneris, querem mudar o mundo, re-conceituá-lo, embora careçam de maturidade para fazê-lo. Possuem ideias criativas e podem ter elevado senso de justiça, sendo um momento propício para o diálogo e discussões sobre os valores vitais com os pais e os adultos idôneos do seu entorno.

A adolescência é marcada por questões de identidade pessoal. Eles procuram encontrar um eu seguro, único, e o conseguem à medida que se aproximam da juventude adulta, desde que bem orientados nas etapas anteriores.

As inesperadas mudanças de humor são constantes, sendo que muitas vezes eles próprios se desconhecem. Exploram vários aspectos de sua personalidade experimentando sentimentos, pensamentos e novas condutas. Nesta fase, crescem as tensões entre razão e emoção, porque são inteligentes e capazes de formular julgamentos, mas são também altamente emotivos.

As crises nesta etapa são potencializadas quando há conflitos familiares, ausência de seguro direcionamento por parte dos pais, apelo consumista, ausência de formação moral, inadequado direcionamento da sexualidade, excessiva busca de prazer e uso de substâncias químicas bem como condutas anti-sociais.

O adolescente é uma pessoa vulnerável; para evitar que ele se desvie, é fundamental a estrutura familiar e o auxílio afetivo que o leve a conhecer-se e respeitar-se, bem como uma sadia educação emocional associada a muitas conversas com adultos idôneos.

É preciso ampliar sua liberdade à medida que cresce sua responsabilidade, para que ele se afirme no mundo exterior com segurança. Imprescindível é, enaltecer suas qualidades, dar-lhe responsabilidades crescentes, estar sempre por perto, apresentar-lhe as verdades, aceitar seus resquícios de imaturidade, bem como educar nas virtudes essenciais ao ajuste social e ao bem estar pessoal.

Os pais devem estimular o interesse por atividades construtivas: arte, esportes, leitura, música, atividades filantrópicas, etc – pois esta é uma fase de grande vigor. É fundamental propor-lhe uma escala de valores para que ele não se sinta inseguro na hora de decidir entre o bem e o mal. Neste campo, auxiliá-lo a ter um projeto de vida, um projeto grande e fundamental, que dure até o fim, o que vai norteá-lo e evitar que se aborreça com a vida ou que desvie da rota.

Em casa, que não haja temas proibidos. É na família que se aprende a dizer não ao impróprio, ao perigoso e ao duvidoso.

Resguardar cada idade desta fase de acordo com a sua correlata maturidade, cuidando para não atropelar a biologia e não permitir que ingresse precocemente em vivências adultas. Em casa, é preponderante que ele tenha deveres e os cumpra com regularidade, afinal, a casa não é um hotel, e somente estudar é pouco, a vida inclui também outras dimensões.

Um adolescente que vive numa família que pratica uma religião de sólidos fundamentos morais, onde há alegria e demonstrações de afeto e que possui uma fé e uma doutrina, cresce com mais segurança e com sentimentos de esperança e dificilmente se sentirá desamparado, afinal, os pais não dão tudo, não sabem tudo, não protegem em tudo, mas o seu Deus sim.

Lélia Cristina de Melo

Psicóloga clínica e Orientadora familiar – CRP: 08-02909

Rua Recife, 183 – Cabral

(41) 3352-2163 (41) 99925-0926

@leliapsicoterapia

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s