FAQ, Homeschooling

DESESCOLARIZAÇÃO

Fui para a escola quando tinha 5 anos. Lá fiquei até os 18 (fiz magistério, na época com um ano a mais que o Ensino Médio). Depois, frequentei 2 faculdades, ou seja, mais 4 anos de sala de aula, agora o dia inteiro. Logo após, 1 ano e meio de pós graduação. Fora os cursos de inglês e espanhol. No total, quase 19 anos sentada no banco de alguma sala de aula. Após sair do banco como aluna, o que eu fiz? Entrei novamente em sala como professora. Ou seja, tirar a escola de mim será, está sendo, um processo lento. Não digo doloroso, pois estou amando descobrir maneiras novas de ver a vida, mas será lento, pois tudo em mim está programado para compreender o processo do aprender como em sala de aula. 

Desescolarizar não é apenas tirar os filhos da escola. Supõe compreender que uma vez fora dela você não precisa seguir com a aprendizagem como se continuasse lá dentro. Pode parecer óbvio…mas não é não… É muito fácil que pensamentos do tipo nos peguem de surpresa:  “será que os ex-colegas estão vendo a mesma coisa?”, “Estou atrasada com o conteúdo que seria da série dela…vou ter que dar uma corrida pra dar conta”, entre outros.  Quando comecei a prática HS meus primeiros planejamentos eram como os da escola. Só não coloquei o tempo da fila pra ir no banheiro porque não sou (tão) fora da casinha.

Por exemplo, com relação ao tempo destinado a cada conteúdo. Em sala de aula, a professora tem que ter o cuidado de tratar todo o assunto daquela disciplina destinado àquele ano. Se uma criança tem dificuldade ela tentará  encontrar meios para fazer com que aquela criança compreenda o que foi visto. No entanto, a docente não pode parar tudo por causa de uma criança. Obviamente aqui, não quero menosprezar a importância que uma única criança tem.  Apenas destaco que a dificuldade dela enfrentará a urgência demandada por seus colegas, e pela coordenação, pela secretaria de educação, pelo MEC… Gente! Não é fácil ser professora! Quantas crianças acabam ficando apenas com uma visão rasa do assunto por conta disso? Até conseguem a tal da média para ‘passar de ano’, mas poderiam, teriam capacidade para muito mais. Neste aspecto, a realidade da educação familiar se mostra extremamente doce: eu POSSO respeitar esse tempo que cada filha necessita. Preciso apenas desescolarizar para aprender a me deleitar com essa doçura toda. O desafio é  não atropelar etapas para cumprir um cronograma que só serviria em sala de aula. Minha meta com elas não é atingir uma média para  passar de ano e sim compreender, interiorizar de maneira consistente cada etapa, para que a próxima encontre uma base sólida e não algumas frágeis estacas.

Mesmo que meu lado escolarizado, completamente engessado na forma de compreender a aprendizagem, ainda venha sussurrar coisas como “será que ela está na mesma média que os amigos da escola”, já compreendi que a preocupação deve ser muito mais profunda. E assim, dia após dia, vou reforçando para mim mesma, que o importante nessa aventura familiar é a real descoberta e compreensão verdadeira da realidade que nos cerca e não a média do sistema escolar.

Desescolarizar também supõe compreender que aprendizagem pode acontecer o tempo todo e não apenas naqueles minutos que foram colocados dentro do planejamento. A observação da maneira como os pais se tratam, descobrir a maneira correta de colocar suco no copo, um passeio no parque e a parada para observar uma flor diferente, a mudança de temperatura, etc. Tudo isso é aprendizagem e poderá ser maximizada se os pais estiverem envolvidos pelas curiosidades que a criança demonstra. Neste sentido, a INTENÇÃO educativa dos pais no processo de desescolarização, vai se aprofundando. Não que tudo tenha que virar uma aula, mas a atenção a cada resposta vai melhorando. Os pais começam a prestar mais atenção às perguntas que, normalmente, seriam respondidas com, carinho sim, mas com certa superficialidade. Quando uma criança de dois anos vem feliz da vida mostrar fascinada uma formiga na sua mão, a mãe pode estender suas observações e ir além do “Nossa! Uma formiguinha!”. Ela pode perguntar quantas pernas a criança vê, se consegue ver antenas, se conseguem descobrir de onde veio, etc. Depois podem registrar algo. E sim! Isso foi aprendizado! Falamos um pouco sobre isso nos artigos “Intenção Educativa com crianças de menos de 4 anos”  e “Homeschooling e crianças pequenas”.

Desescolarizar não é demonizar a escola. É descobrir outra forma de compreender a aprendizagem fora da receita escolar. É possível, é gostoso,mas você tem que dar espaço para isso acontecer. Claro, também que estudar, se preparar, apaziguar o coração, se apoiar em outras famílias.

Há muita, muita coisa a ser descoberta fora das diretrizes aprendidas na sala de aula. Coragem! É muito bom!

Cibele Scandelari

 

 

8 comentários em “DESESCOLARIZAÇÃO”

  1. Minha família e eu estamos nesse processo! Aliás, no começo do começo! Rsrsrs. Meus 3 filhos estudam em colégio particular e estamos nos preparando para iniciar o homeschooling de forma integral, em 2019. Seus textos têm ajudado bastante!!!

    Curtir

    1. Raquel!
      Que gostoso é ajudar… se vc tiver alguma dúvida nessa preparação ou mesmo quando estiver praticando, pode contar comigo. Se precisar, entra no meu face e/ou instagram e me manda uma mensagem no privado que te ajudo no que estiver ao meu alcance. Nem que seja pra ser um ouvido amigo. Um super abraço e que Deus abençoe seu homeschooling, vc e sua família.

      Curtir

  2. Olá, Cibele!
    Amamos o seu blog! Também seremos família homescholer. Temos um pequeno de 9 meses e estamos aproveitando para aprender e estudar. Estamos devorando os artigos e são excelentes e animadores! Também já fiz os cursos dos Abadie. Aliás, através deles conheci seu blog.
    Já ensinamos ele desde agora com recitação de poesias, audição de músicas clássicas, canto gregorianos e também cantigas (Brazil for Children, do Carlos Nadalim, Introdução à Orquestra para crianças). Ele já reconhece todas as poesias.
    Estou apaixonada pelo homeschooling e bastante animada em ensinar meu menino e os próximos, se Deus quiser!
    O que mais pesa é não ter famílias homeschoolers bem próximas mas creio que com a ajuda de Deus vamos receber essa bênção!
    Obrigada pelo blog e que Deus abençoe a família de vocês.

    Curtir

    1. Olá Adriele!
      Fico muito feliz em saber que vocês tem gostado! Escrevo com muito carinho e quero muito poder ajudar outras famílias. O homeschooling é apaixonante sim! De onde vocês são? Entra em contato via instagram e/ou facebook. Vai que eu posso te ajudar!
      Um abraço!!

      Curtir

  3. Olá! Antes de tudo, muito obrigada! Minha família está inicianro o homescholing este ano. Estamos felizes, animados e também preocupados! Ler tuas palavras nos ajuda a ver com mais tranquilidade este processo de adaptação. Nosso filho esteve até o sexto ano na escola particular e a expectativa é grande! Que Deus abençoe a todos nós nessa linda jornada!

    Curtir

    1. Olá Deborah!
      Fico feliz de poder ajudar em algo. Se precisar de ajuda, pode contar comigo naquilo que estiver ao meu alcance.
      Que a jornada de vocês seja rica, repleta de momentos de profunda aproximação familiar e que os laços ali criados perdurem para toda a vida. Deus os abençoe!
      Um abraço!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s